Porno de Massa

   Estou incomodado, muito incomodado… Incomodado de ir em livrarias, bibliotecas e até em andar de ônibus… Mas não é um incomodo que te inquieta, ou que te tira do serio, esse incomodo vem da vergonha alheia, ou talvez até posso dizer “falta de vergonha”!
   A algum tempo a industria da escrita, que antes era sinal de cultura, vem sofrendo golpe atrás de golpe, sei que o que estou prestes a falar não é o fundo do posso, mas passa perto… O que quero dizer é a tiragem de um “porno comercial” para as massas, disfarçado em forma de cultura… Sim, os livros pornográficos que andam circulando por ai.

   Títulos como: Toda Sua, Me mate de prazer e Bem profundo, vem sendo a cada dia mas encontrados nas mãos de leitores incautos que levam esses livros em lugares sociais como restaurantes, bares, bibliotecas e até transportes públicos.

   Para mim isso é um tapa na cara de quem é pego desprevenido, como qualquer leitor sabe (ou no minimo deveria saber), o ser humano geralmente lê uma história formando imagens em seu cérebro (que pelo menos deveria ter), fazendo com que a história se transforme em uma especie de filme mental, isso é o que nos cativa a ler, o poder da imaginação. Agora vejamos bem, se você ler um livro sobre naves espaciais você vai (ou pelo menos deveria) imaginar… tam tam tam tam… naves espaciais, obvio não? Continuando com o raciocínio, quando lemos um livro de história medieval, provavelmente o leitor irá imaginar um cenário medieval, com lutas de espadas e o que mais acontecer no decorrer da história. Me arrisco a ir mais além e dizer que ao ler um livro sobre física quântica, um físico quântico (que é o único que pode fingir entender aquilo), pensa sobre as implicações, átomos se chocando, partículas e etc. Seguindo essa linha de raciocínio, o que se passa na cabeça de uma pessoa lendo uma historia sobre sodomia e sado masoquismo?
   A resposta é bem obvia… O sentimento que tenho com uma pessoa lendo esse tipo de livro do meu lado, é o mesmo que teria se estivesse em um ônibus lotado e uma pessoa próxima de mim retirasse de sua mochila uma revista pornográfica, não preciso ver o conteúdo para deduzir onde está a imaginação do sujeito.
   Qual a motivação de uma pessoa, que poderia estar lendo qualquer outra coisa, ter a tamanha ousadia de mostrar para todas as pessoas em um ônibus lotado que ela está excitada sexualmente? 
   Não adianta reclamar, eu sei que não é somente a literatura, sei que isso já existe a muito tempo em musicas, filmes e etc… Mas um livro não é algo que você é bombardeado, como um funk obsceno tocando nas alturas, ou uma cena de sexo em um filme interessante que você por acaso está assistindo com seus pais, um livro é algo pessoal, a pessoa precisa querer lê-lo.
   Não condeno quem lê esse tipo de livro, muito pelo contrario, qualquer leitura é boa (a menos que seja o livro do Pedro Bial), só que existem lugares. Como não é decente uma pessoa assistir a um filme porno, ou ver uma revista que exalta a utilização de photoshops em corpos nus em público, o próprio ato de ler um conto erótico, disfarçado em literatura, em publico também deveria ser motivo de vergonha (e deve ser) para pessoas que tem um minimo de pudor.
Vizualizações: 1942 |

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Para um bom entendedor um pingo é letra, dizia o Sr. Ciro, amigo meu. Lindas palavras….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *