O Ser

A incontáveis era, quando ainda nada havia sido criado, o Ser já existia, sua fome era imensa, todavia, nada havia para comer, não sabia de onde tinha vindo, nem porque estava lá, mas a fome o consumia. Logo tudo se fez, uma explosão resplandeceu e o Ser foi atirado ao longe, em um mar de fogo.

130d3c989c43d0553c896ed3b2068d59O Ser então percebeu que podia se locomover por entre os corpos luminosos que haviam se formado em todos os cantos, começou assim uma grande peregrinação, conhecendo novos lugares, testemunhando nascimentos e destruição de diversos lugares. O Ser por algum tempo foi feliz, pois a curiosidade era gostosa, entretanto ele ainda estava faminto.

O Ser continuou vagando até acreditar que já havia visto de tudo e um dia como qualquer outro e se deparou com um lugar diferente do que havia visto desde então. Não se lembrava se um dia encontrara lugar tão belo, decidiu então fazer ali sua morada.

O tempo passou para tudo, menos para o Ser que continuou naquele lugar que mesmo após ser destruído e refeito, por várias vezes voltava cada vez mais lindo. O Ser por muito tempo foi feliz, mas a felicidade não o completava, ainda estava faminto.

O Ser começou a observar mudanças estranhas acontecerem naquele lugar, coisas novas, cores novas, um mundo de vida começara a florescer, primeiramente coisas pequenas, microscópicas, um mundo de vida começara a florescer, cresceram a grandes alturas e dominaram as montanhas, planícies e oceanos. O Ser ficou contente ao conhecer essas novas espécies, não estava mais sozinho no mundo, mas por dentro ainda existia um vazio, o Ser continuava faminto.

Com o passar do tempo, o Ser aprendeu que nada era eterno, nada a não ser ele próprio e então decidiu se ausentar daquele lugar por um tempo, ver se encontrava algum outro lugar com seres como ele, seres que não morriam.

O Ser cruzou os céus a procura de seus semelhantes, mas nada encontrou, o Ser começou a sentir tristeza, era algo que não havia experimentado antes, era bom, entretanto o ser ainda estava faminto.

Após longas incursões em diversos pontos do cosmos o ser decidiu voltar àquele pequeno lugar que tanto o agradou um dia, isso ascendeu algo dentro do Ser e pela primeira vez experimentou esperança, era bom, todavia, ele ainda permanecia faminto.

Andou todo o trajeto de volta e quando chegou naquele lugar, tudo havia mudado, os seres gigantescos por outros pequenos e rosados, esses viviam em cavernas e caçavam outros seres para consumi-los, o tempo passou e o Ser se afeiçoou pelas novas criaturas que estavam naquele local, mas as criaturas se assustaram com o Ser e o atacaram.

O Ser era imortal, não havia ninguém que podia fazer algo contra ele, entretanto ele podia fazer qualquer coisa e assim começou a dizimar as criaturas rosadas, o Ser experimentou a ira, era muito saborosa, mas faltava alguma coisa, ele mantinha-se faminto.

Quando o Ser percebeu que mesmo matando tantos quanto tinha vontade, as criaturas rosadas ainda cresciam em número, ficando cada vez mais inteligentes, construindo casas, domando animais e cultivando a terra, então decidiu parar sua chacina e começar a experimentar outras coisas.

Logo conheceu alguém que não tinha medo dele, se aproximou dessa criatura e com ela ficou pelo tempo que pode, o Ser experimentou o amor, ficou satisfeito por um tempo, mas a vida da criatura era efêmera e assim o amor acabou e o Ser voltou a ficar faminto.

O tempo voou e o Ser resolveu se ausentar por um tempo, entretanto não iria mais deixar aquele local, somente iria descansar, entrou em uma das cavernas, abandonadas a tempos pelos bípedes que conquistaram aquele local e dormiu. Dormiu tanto que todos se esqueceram que ele um dia existiu.

Quando finalmente acordou, viu uma imagem diferente da que se lembrava, as criaturas rosadas agora vestiam couraças de metal e com objetos de metal se matavam e se feriam, o Ser então conheceu a guerra, aquilo o satisfez, mas ainda não era o bastante. O Ser conservava-se faminto.

O Ser decidiu então aparecer novamente, as criaturas agora mais evoluídas, pensavam que entendiam tudo o que existe e assim o Ser causava pavor e desolação onde quer que passasse. Algumas das criaturas, que se autodenominavam exotéricos encontraram meios de ferir o Ser e ele sentiu medo.

O Ser então exterminou os exotéricos e começou a assolar as criaturas rosadas sem nenhum impedimento, refinando seus meios de promover o medo, o pavor e quando o Ser sabia exatamente o que deveria fazer, conheceu então o desespero e isso pela primeira vez o satisfez.

Não demorou muito para que sentisse fome de novo, entretanto agora sabia a receita, o desespero virara sua comida favorita e o Ser então jurou a si mesmo que nunca mais passaria fome.

Vizualizações: 450 |

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Reinaldo disse:

    O Ser se alimenta do desespero. Quem é o Ser?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *